quarta-feira, 11 de outubro de 2017

#3 - COMO UMA DEUSA x THE POWER OF LOVE

Não bastasse o time feminino dos anos 80 com frequentes aparições televisivas - Gal, Joana, Zizi Possi, Alcione, Adriana "te amar é tão bom", Jane Duboc, entre outras - que botava no chinelo qualquer aspirante a feminejo atual, eis que aparece aos poucos uma figura de perfil exótico, com vocal potente, roupas extravagantes e clipes intoxicados de gelo seco, que dominou as paradas de sucesso brasileira durante semanas, alcançando audiência absoluta também nas rádios. Após gravar uma ou outra canção sem muito sucesso e em 1986 "Nem um toque" ter sido incluída na trilha sonora da novela Roda de Fogo, a apenas Rosana, e atual Rosanah Fienngo - filha de um músico da banda Casanova's - alcançou o estrelato em 1987 através do hit "Como uma deusa", que embalou o o drama da protagonista Jocasta na novela Mandala.

Com o advento do Youtube, achei o clipe igualmente esfumaçado da dupla australiana Air Supply,  detentora de vários sucessos. Gravado na praia, com aquela penumbra ou maresia romântica, a letra fala de um amor caliente com uma musa amada e adorada, ao contrário da versão brasileira que hoje poderia ser considerada equivalente a qualquer baladão do empoderamento feminino, fazendo rachar o solado das rasteirinhas das insubmissas. Na verdade, a letra original chama-se "The Power of Love", enquanto o letrista da versão traduziu meio de trás para frente e ficou "O Amor e o Poder".  Na verdade de novo, a primeira gravação foi feita por Jennifer Rush, e em seguida por Laura Branigan e Celine Dion, e ganhou até uma versão em espanhol (Si tú eres mi hombre y yo tu mujer) com a dominicana Angela Carrasco.

Após saber de tantas gravações, é justificável que nossa deusa também tivesse suas semanas em alguma Billboard Tupiniquim. E só pra não perder o embalo do flahback, uma vez deusa, sempre deusa, nem que apareça na mídia como candidata a vereadora ou nessa revelação bombástica.



O Amor e o Poder (Como uma deusa) - Rosana
A música na sombra
O ritmo no ar
Um animal que ronda
No véu do luar
Eu saio dos seus olhos
Eu rolo pelo chão
Feito um amor que queima
Magia negra
Sedução

Como uma deusa
Você me mantém
E as coisas que você me diz
Me levam além
Aqui nesse lugar
Não há rainha ou rei
Há uma mulher e um homem
Trocando sonhos fora da lei

Como uma deusa
Você me mantém
E as coisas que você me diz
Me levam além
Tão perto das lendas,
Tão longe do fim
A fim de dividir
No fundo do prazer
O amor e o poder



The Power of Love (You are my lady) - Air Supply

The whispers in the morning
Of lovers sleeping tight
Are rolling by like thunder now
As I look in your eyes
I hold on to your body
And feel each move you make
Your voice is warm and tender
A love that I could not forsake

'Cause you are my lady
And I'm your man
Whenever you reach for me
I'll do all that I can

Lost is how I'm feeling lying in your arms
When the world outside's too
Much to take
That all ends when I'm with you
Even though there may be times
It seems I'm far away
Never wonder where I am
'Cause I am always by your side

'Cause you are my lady
And I'm your man
Whenever you reach for me
I'll do all that I can

We're heading for something
Somewhere I've never been
Sometimes I am frightened
But I'm ready to learn
Of the power of love

The sound of your heart beating
Made it clear suddenly
The feeling that I can't go on
Is light years away

We're heading for something
Somewhere I've never been
Sometimes I am frightened
But I'm ready to learn
Of the power of love

domingo, 8 de outubro de 2017

#2 - O ASTRONAUTA DE MÁRMORE x STARMAN

Em 1989, passou no Fantástico o clipe de uma música que fez até aqueles que torciam o nariz para o boom das bandas de pop rock no Brasil deixarem de lado a resistência e curtirem um pouco o novo som. A melodia era linda e tinha uns altos e baixos bem marcantes com violino, com a letra numa forma quase narrativa: afinal de contas, quem era o astronauta de mármore? Essa banda do sul também teve a música "Sobre o tempo"  em uma novela global com causa polêmica, Barriga de Aluguel, e muita coisa boa gravada como "Camila, Camila" e "Extraño", mas é impossível não associar o sucesso da estreia em rede nacional à banda Nenhum de Nós.

Igual a outros casos de sucesso, o "acaso" da sobrevivência e permanência em uma gravadora foi o motivo inspirador da versão, embora sempre tenha a galera purista do contra que sempre tem que fazer a crítica ácida e ficar comparando o que não dá para comparar. Diferente de outros casos históricos de plágio, se o próprio autor autorizou, quem somos nós para questionar? É o que diz Thedy Corrêa nessa entrevista:

"Fomos alvo de amor e de muito ódio. O amor dos que a levaram ao sucesso e o ódio dos críticos e "colegas" que nos acusavam de ter assassinado a canção de Bowie. Ele mesmo não pensou assim, tanto que quando veio ao país – pela primeira vez – no show que realizou em São Paulo, fez referência à nossa versão, convidando as pessoas a cantarem em português se assim quisessem. Alguém poderia – e tinha o direito – gostar ou não do resultado, mas jamais duvidar da honestidade da homenagem!"


O Astronauta de Mármore - Nenhum de Nós

A lua inteira agora
É um manto negro
Oh! Oh!
O fim das vozes no meu rádio
Oh! Oh!
São quatro ciclos
No escuro deserto do céu

Quero um machado
Pra quebrar o gelo
Oh! Oh!
Quero acordar
Do sonho agora mesmo
Oh! Oh!
Quero uma chance
De tentar viver sem dor

Sempre estar lá
E ver ele voltar
Não era mais o mesmo
Mas estava em seu lugar

Sempre estar lá
E ver ele voltar
O tolo teme a noite
Como a noite
Vai temer o fogo

Vou chorar sem medo
Vou lembrar do tempo
De onde eu via o mundo azul

A trajetória
Escapa o risco nu
Uh! Uh!
As nuvens queimam o céu
Nariz azul
Uh! Uh!
Desculpe estranho
Eu voltei mais puro do céu

A lua o lado escuro
É sempre igual
Al! Al!
No espaço a solidão
É tão normal
Al! Al!
Desculpe estranho
Eu voltei mais puro do céu

Sempre estar lá
E ver ele voltar
Não era mais o mesmo
Mas estava em seu lugar

Sempre estar lá
E ver ele voltar
O tolo teme a noite
Como a noite
Vai temer o fogo

Vou chorar sem medo
Vou lembrar do tempo
De onde eu via o mundo azul

A música original, Starman do britânico David Bowie, foi lançada em 1972 e se tornou também um marco na carreira do artista, ainda mais com a banda naquele visual que se configura até hoje como a marca mais conhecida de Bowie, quase como um ícone. "Starman" é a quarta música do disco que conta a história de um marciano que veio mudar a humanidade com música, paz e amor. Nesta matéria há algumas curiosidades da vida e obra do cantor, que também deixou em seu legado participações no cinema, e lançou um musical e um clipe do seu último trabalho às vésperas da sua partida, como se fosse uma consciente despedida.



Starman - David Bowie

Didn't know what time it was and the lights were low
I leaned back on my radio
Some cat was layin' down some get it on rock 'n' roll, he said
Then the loud sound did seem to fade
Came back like a slow voice on a wave of phase haze
That weren't no D.J. that was hazy cosmic jive
There's a starman waiting in the sky
He'd like to come and meet us
But he thinks he'd blow our minds
There's a starman waiting in the sky
He's told us not to blow it
Cause he knows it's all worthwhile
He told me:
Let the children lose it
Let the children use it
Let all the children boogie
I had to phone someone so I picked on you
Hey, that's far out so you heard him too
Switch on the TV we may pick him up on channel two
Look out your window I can see his light
If we can sparkle he may land tonight
Don't tell your poppa or he'll get us locked up in fright


sábado, 7 de outubro de 2017

#1- MEU MEL x MUSIC

Nos anos 80, a TV é quase exclusivamente o modo dos brasileiros conhecerem um artista e ver sua performance, conhecer um pouco de sua história e pegar carona nas modas e tendências lançadas no combo. Embora existisse a mídia impressa, foi no Chacrinha, Globo de Ouro e, posteriormente, no Xou da Xuxa que aqui em casa a gente se divertia vendo as caras e bocas e a emoção da plateia. Cenas como minhas tias vidradas vendo o boy magia cantando aquele playback fajuto e anotando a letra da música, mainha largando a máquina de costura ou as panelas para ver Roupa Nova, ou as empregadas que paravam tudo para cantar as músicas, sendo que uma delas emocionada causou um grande prejuízo ao derrubar e danificar o rádio de painho marcaram minha infância.

Eu guardo essas memórias de ouvir muitas vezes ao dia as músicas que "estouravam nas paradas de sucesso" e só com a internet foi possível desvendar o mistério, ou seja, as verdadeiras músicas cujas versões ficaram marcadas como originais na minha memória musical. Confesso que me desiludi um pouco, mas também que nossas "criações" não deixam a desejar, e aproveitei para fazer aqui uma série com histórias, letras, vídeos e lembranças dessas canções.

Em 1987, Markinhos Moura ainda era Marquinhos Moura e tocava sua glicêmica Meu Mel em todas as rádios do país e programas de televisão, reunindo os quatro elementos para que a alquimia desse certo e incendiasse os corações juvenis dos anos 80: cabelo com topete descolorido + brinco na orelha + olhar carente + porte físico frágil numa aparência meio andrógina. Infelizmente, esse mel não foi tão doce assim, mas lhe trouxe a público e nesta entrevista quase biográfica, ele descreve os altos e baixos de sua vida e carreira. Embora tivesse a bagagem do teatro e o gosto requintado, Meu Mel fez parte de seu repertório por uma questão de sobrevivência, mas acabou lhe consagrando como um one-hit wonder.



Meu Mel-Marquinhos Moura

Fica comigo meu mel
Tire o adeus das mãos
Não me entregue à solidão meu mel
Porque eu preciso de você.

Lembra da nossa canção, dos nossos sonhos enfim,
O que fazer de tantas coisas sem ter você um pedaço bom de mim

Meu mel não diga adeus, eu tenho tanto
Medo, de ficar sem o seu amor
E pra sempre ser um ser só

Não vá, não saia de mim, eu enlouqueço de vez
Chega mais pra eu olhar no seu olhar
E pedir mais uma vez,

Meu mel não diga adeus,
Eu tenho tanto medo de ficar sem o seu amor,
E pra sempre ser um ser só

A música original e também açucarada é "Music" do francês F.R. David, que foi lançada em 1983 e em 1987 fez parte da trilha sonora internacional da novela Brega & Chique. Eu lembro dessa novela com o cara "pelado, pelado, nu com a mão no bolso" na abertura, mas juro que não lembro dessa música tocando no rádio, só de Now and Forever de Jimmy Cliff, que foi o musicão estilo "We are the word" daquele ano em todas as fitas K7, radiolas, bares e bailes da época. Confira agora a declaração de amor de David pela "Music"!



Music - F.R. David 

Music you're making me blue
While i'm alone without you
Fill my heart and fill my soul
With tenderness
Music fill my loneness

Music is still all around
It's time for changing all the sounds
How about your inspiration
It'll never end
Seasons all will choke a man

(chorus)
When spring is near the end
I hear reliefs of summer
Autumn brings rhythm of the rain
Then it's hazy shade of winter

Music i love you so true
I'm just crazy about you
Without you i'd feel so sad
And full of pain
Music please come back again


#PARTIU GOL

Esses dias recebi um email da Gol onde anunciava a seguinte novidade:




"Para utilizar a exclusividade, basta
fazer o download do app da GOL
no seu celular, abri-lo e selecionar
a função de Selfie Check-in.
Com ela, você não precisa preencher
nenhuma informação. Basta uma foto
do seu rosto para ter acesso ao seu
cartão de embarque."


Em um país onde há mais celulares que o número de habitantes, e onde as pessoas acham que o wi-fi é um novo componente do ar atmosférico, imagine a revolução que será. Acho que sabendo que o melhor da internet é o brasileiro e sua criatividade sem fim, a Gol quis sair na frente, mas será que a empresa está pronta para os bugs que podem acontecer?

Ex1: Selfie fazendo carão, biquinho ou de Rayban do Paraguai. Resposta do sistema: falha no reconhecimento facial por excesso de base e de adereços. Favor, remover maquiagem com água micelar e deixar os olhos à mostra.

Ex2: Selfie fazendo carão, mas dessa vez em ângulo estilo beijinho no ombro. Resposta do sistema: falha no reconhecimento facial, pois não consta nos dados que o passageiro é portador de necessidades especiais.

Ex3: Selfie com o bilhete em mãos e mala ao fundo, porque aí já seriam fortes indícios de que essa pessoa pretende tecnicamente (como dizem os americanos) viajar. Aí já aproveita e posta a #partiugol nas redes sociais para ter testemunhas, caso perca o voo.

Ex4: Selfie com o animal de estimação. Resposta do sistema: nosso app só está habilitado para reconhecer humanos. Mas não custa nada perguntar: qual dos dois vai viajar?

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

#PILATES: FAÇO E RECOMENDO


Muitas mulheres juntas = consultoria do temas mais diversos possíveis, notícias da última hora (política, utilidade pública ou vida dos famosos), desabafos, fofocas, confidências, trocas de receitas e lanches etc. Essa é a "turma da conversa" da Equilibrium Corpore: 4 alunas (eu, mainha, Claudete e Nilde), duas fisioterapeutas (Brena e Lílian) e a administradora da bagunça (Jéssica). Mas peraí, era para ser a turma do Pilates. Como assim??? Não foi isso que Joseph Pilates previu em suas aulas, rs.

Só para constar, seguem oito benefícios incontestáveis do prática do Pilates:

  • Aumento da Resistência Física e Mental
  • Aumento da Flexibilidade
  • Corrige Problemas Posturais
  • Aumento da Concentração
  • Tonifica a Musculatura
  • Melhora a Coordenação Motora
  • Promove menor Atrito nas Articulações
  • Alivia Dores Musculares
E um pouco sobre o fundador do método:

  • Joseph nasceu em 9 de dezembro de 1883, na cidade de Monchengladbach, perto de Dusseldorf, localizada na Alemanha.
  • Filho de um ginasta premiado e de uma naturopata (ela fazia e recomendava o uso apenas de remédios naturais extraídos de ervas, pois para ela eram muito mais eficiente do que uma cirurgia por exemplo), ele sempre teve uma influência muito grande no quesito corpo e saúde
  • Joseph foi uma criança muito doente, ele sofria de diversos problemas de saúde como Asma, raquitismo (deficiência de vitamina D) e febre reumática.
  • Através de sua filosofia influenciada por seus pais, Pilates começou a dedicar sua vida em favor da melhoria da sua saúde, ele focalizava a sua mente praticando técnicas respiratórias que te ajudavam com o problema da Asma.
  • Joseph Pilates acreditava que a sua má postura e a sua respiração ineficiente eram as causas dos seus problemas de saúde. Por isso, além de trabalhar a sua respiração, e passou a se exercitar ao ar livre.
  • Por volta dos 14 anos, ele passou a aprofundar seus conhecimentos na área de anatomia, medicina tradicional chinesa, entre outros. Com isso Joseph Pilates descobriu e estudou diversos tipos de atividades físicas diferentes como a musculação, a Yoga, o boxe, mergulho, kung fu e a ginástica.
  • Daí então surgiu a sua inspiração para criar o Método Pilates que se encontra presente em nossas vidas até os dias atuais.
  • Após sua longa jornada de vida, Joseph Pilates faleceu aos 83 anos, devido algumas complicações pulmonares, embora ainda exista muita controvérsia sobre o que realmente originou o problema.

ONOMASTICAMENTE FALANDO...


Uma amiga me ensinou um grande verdade: "rico atrai riqueza e as águas só correm para o mar". Depois de Príncipe William e Kate Midleton (filhos George e Charlotte), Brad Pitt e Angelina Jolie (perdi a conta, mas são exóticos) e o casal anos 90 Tom Cruise e Katie Holmes (Suri), foi a vez de George Clooney e a não famosa, mas não menos rica Amal Alamuddin terem seus filhotes (Alexander e Ella). A notícia não é atual, mas a reflexão é a seguinte: como os pais nomeiam seus rebentos. 

"Nós [George e Amal] calculamos que estas crianças vão ser muito vistas e julgadas e que cada passo que derem vai ser avaliado. Nós queríamos que eles 'pudessem descansar' pelo menos com os nomes. Por isso, procurámos por nomes normais. Não tivemos uma grande inspiração. Não foi "Alexandre, o Grande" e Ella Fitzgerald", justificou o intérprete, de 56 anos, em declarações ao site Entertainment Tonight."

É muito comum e compreensível que os pais, pensando ser um ato de amor, às vezes escolham nomes um tanto estranhos para seus filhos, como até mesmo a fusão parcial dos nomes dos progenitores. Aí essa criança cresce, aprende a cantar, dançar e/ou atuar e tem que criar um nome artístico impactante, de preferência com uma pronúncia fácil chiclete ou composto, estilo artista de novela mexicana. Mas, não contentes com o nome já consolidado, não sei se por sugestão da numerologia, empresário, gravadora ou vontade própria, às vezes, os artistas resolvem dobrar a letra (Anita = Anitta), acrescentar um H (Limah), ou achar que já chegou ao Monte Olimpo dos Ícones ou Musas que nunca serão tombadas ou descontinuadas do mundo pop e resolvem excluir o sobrenome ou acrescentar um que nunca poderão chamar de seu, como recentemente Claudia Leitte ou Naldo Quem é Benny. 

Só sei que como professora, já vi de tudo e ainda fico na dúvida do gênero ao ler as listas de alunos no início do ano. É uma chuva de nomes com dois L, um Y, dois N, T mudo etc, e penso em como os pais não pensaram na missão que deram para um ser inocente, que desde a mais tenra infância teve que gastar seus neurônios para decodificar fonemas mais complexos que uma tese em linguística. Talvez peguem carona no mundo das celebridades, ou já pensem no nome impresso no cartão de advogado, médico ou Mc. Depois que li a biografia não-autorizada do Rei e vi que seu primeiro varão foi registrado como Roberto Carlos Braga II, nada mais me surpreende.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

QUIMIOTECA: 7 LIVROS DE CIÊNCIA PARA LEIGOS

Uma das coisas que sempre amei foram os livros. Se alguém me perguntasse "desde quando você gosta de livros?", eu responderia igualzinho as crianças do The Voice: desde criança, mesmo antes de aprender a ler. Depois de contos de fadas, livros de pintura, revistas em quadrinhos, paradidáticos e até mesmo os livros regulares da escola, dois temas se tornaram cativos: história e ciência, porque ambas são cheias de enredos, causos e acasos e nunca acabam. E se você não teve bons professores dessas disciplinas, nem tudo está perdido. Sempre valerá a pena aprender um pouco mais!

1- A CIÊNCIA ATRAVÉS DOS TEMPOS (ATTICO CHASSOT): este livro dirige-se aos que desejam se iniciar na apaixonante história da construção do conhecimento científico. É um convite para uma mirada panorâmica sobre uma caminhada que começa há muitos milênios, com a transformação de nossos ancestrais em humanos, graças ao trabalho, e estende-se até os últimos feitos da ciência neste limiar do século XXI.


Meu primeiro livro de história da ciência <3


2-A CIÊNCIA É MASCULINA? É, SIM SENHORA! (ATTICO CHASSOT): discute a presença feminina na trajetória intelectual humana e apresenta duas hipóteses, uma histórica e outra biológica, para a possível superação do "machismo" na ciência.


Em tempos de empoderamento, uma ótima sugestão!

3-UM CIENTISTA NA COZINHA (HERVE THIS): como transformar, em poucos segundos, uma mistura quente num sorvete saboroso? Por que o leite derrama quando ferve e a água não? Como fazer 24 litros de maionese com uma única gema de ovo? Por trás dos muitos truques e segredos passados de mãe para filha, que dão um 'toque especial' em determinadas receitas, existem explicações científicas.


Depois deste livro, nunca mais solei um bolo, rs

4-OS BOTÕES DE NAPOLEÃO (PENNY LE COUTEUR E JAY BURRESON): será que podemos explicar o fracasso da campanha de Napoleão na Rússia, em 1812, por algo tão insignificante quanto um botão? Com estilo cativante, temperado por diversas histórias curiosas, os autores fazem uma fascinante análise de 17 grupos de moléculas que - como o estanho dos botões dos uniformes do exército napoleônico que se desintegraram no frio do inverno russo - influenciaram a história mundial e produziram grandes feitos e avanços. Além disso, determinaram o que hoje comemos, bebemos e vestimos.


Uma mistura perfeita de história e ciência

5-BARBIES, BAMBOLÊS E BOLAS DE BILHAR (JOE SCHWARCZ): a Química está em toda parte: no veneno e no antídoto, na farmácia e na natureza, em produtos de higiene pessoal e na cozinha, aventuras amorosas, KGB, CIA, jeans, xampus, assassinatos, zumbis, bruxas, mágicos e muito mais. Aqui são discutidos a eficácia de certos produtos, o surgimento de substâncias que mudaram nossas vidas, alguns erros químicos e a moda de consumir vitaminas e certos alimentos. Tudo isso de forma compreensível até para quem não entende do assunto.

Um fato curioso leva a outro

6- O SONHO DE MENDELEIEV (PAUL STRATHERN): neste livro o autor decanta a sensacional história da busca dos elementos químicos, que não é outra senão a verdadeira história da química. Desde os físicos gregos, passando pela alquimia medieval, até chegar à fissão do átomo, somos transportados pelo texto fluente e bem-humorado do autor, que além de explicar as sucessivas descobertas no campo da química, traça as biografias de seus protagonistas. Além de trabalhar em ambientes inóspitos, manipulando elementos químicos venenosos e radioativos, muitos deles se tornaram mártires da ciência.


E pensar que tudo era água, fogo, terra e ar...

7-TIO TUNGSTÊNIO (OLIVER SACKS): a vida de Oliver Sacks é marcada por uma curiosidade fora do comum. Neste livro, ele relembra sua infância e conta que foi o comportamento misterioso dos metais que o levou à sua paixão pela ciência. Desconfiando de que existiam leis e fenômenos escondidos por trás do mundo visível, o jovem Oliver se perguntava: ´Como o carvão pode ser feito da mesma matéria dos diamantes? Do que é feito o sol e as estrelas?´. Cada etapa de suas descobertas sobre a luz, o calor, a eletricidade, a fotografia, o átomo, os raios X e a radioatividade é relembrada para conduzir o leitor pela história da química, apresentando as pesquisas e inovações de nomes como Lavoisier, Mendeleiev, Marie Curie, Robert Boyle e Niels Bohr, entre outros. A escrita envolvente de Sacks aproxima poesia e ciência por meio de recordações que são, a um só tempo, investigações intelectuais e episódios de amadurecimento.


Leitura em andamento e atual paixonite!